terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Coisas que ninguém te conta sobre morar sozinha:

Quando você revela que vai morar sozinha pela primeira vez, todo mundo quer dar “dicas” (leia-se pitacos) sobre como você vai se sentir, o que terá que fazer, o que vai estranhar, etc, etc.  Depois de ouvir aquele montante de clichês, você descobre que na verdade foi sobre o que eles não falaram que vai te marcar mais.

- Lavar louça, limpar a casa, cozinhar, não são NADA comparados a jogar o lixo. JURO, você pode lavar paredes e não se importar, mas ter que colocar uma roupinha mais ou menos (correndo o risco de algum vizinho gato te ver toda cagada) pra descer e levar o lixo, esse será o maior sacrifício de todos.

- Limpar o ralo do chuveiro vai mudar a sua vida. Não adianta dizer: “já limpei muita casa suja”, “já vi de tudo”, a primeira vez que você limpar um ralo de chuveiro você nunca mais será o mesmo (não vou dar spoiler porque acho injusto, mas dou dica: LUVAS).

-O mais difícil é não ter em quem colocar a culpa: Faz 2 meses, sim DOIS, que perdi o pé esquerdo de uma sapatilha laranja dentro do meu apartamento (de um quarto diga-se de passagem). Eu não posso dizer: “Quem pegou?”  “Quem escondeu?”  E nem mesmo “pelo amor de Deus me ajuda a procurar”. Eu perdi, já procurei por tudo, e não há testemunhas nem o que fazer.

- Comprar água é a pior parte das compras: eu sei que ela é primordial e sem ela a gente tipo, morre, mas comprar água é um saco! Primeiro que você para e pensa, quantos litros preciso? Onde vou guardar esses galões? Como vou carregar isso sozinha? E ai vem aquele pensamento obscuro “e se eu der uma fervida na água da torneira, será que não rola?”. (Não, Não rola, compra o que consegue carregar e sempre, SEMPRE verifica se está acabando o estoque).  

-Gritar não é opção: não importa se for uma tarântula de 2 metros de altura, barata voadora de 3 cabeças, formigas carnívoras,  se o inseto entrou na sua casa é seu DEVER moral matá-lo sozinha (e limpar os restos mortais). E não tem essa de: vou me trancar no quarto e esperar ele ir embora sozinho, se enche de coragem e vai, com vassoura, sapato, remo, não importa! Só vai e mata (depois do primeiro fica bem mais fácil).



Jéssica M. Feller


Sobrevivente do ataque de um besouro durante o banho 






2 comentários:

Andre Santos e Souza disse...

Um besouro dentro do box durante o banho e quase a mesma coisa que estar lambuzado de sangue em uma jaula com um leão... pânico total!!!

A única diferença é que a gente sobrevive e ainda consegue Bloggar a experiência.

Foco, força e fé... rsssssss

Marina Leonardi Fiamoncini disse...

Quando eu morava com a minha mãe parecia que a casa não sujava tanto! Hoje eu dou muito mais valor pra ela e pra qualquer trabalho doméstico, de verdade. A minha técnica é nem pensar nas opções, só há uma: encara a casa de frente! Porque depois, quando acumula tudo, você perde dias tentando se achar novamente. Beijos!